Frota

Compromisso de fornecer a frota com tecnologia mais avançada, eficiente e confortável

Durante o ano de 2016, o Grupo LATAM operou uma frota composta por 329 aeronaves, com idade média de aproximadamente sete anos, destacando-se entre as mais jovens da América do Sul e do mundo.

Um dos maiores acontecimentos do ano foi o lançamento da marca unificada LATAM. Em dezembro de 2016, a Companhia contava com 43 aeronaves portando o novo logo, um processo gradual que terminará em 2018, ano em que planejamos ter toda a frota portando a nova imagem corporativa.  Vale mencionar que a pintura das aeronaves leva, em média, de 6 a 12 dias cada, e será realizada durante a manutenção de rotina das aeronaves para otimizar o processo com maior eficiência.

Neste período, a Companhia continuou avançando em seu plano de renovação da frota, incorporando aeronaves maiores e mais modernas e eliminando, gradualmente, os modelos mais antigos. No total, foram retiradas 23 aeronaves e inseridas 24 aeronaves de modelos mais eficientes, atribuindo os mais adequados para cada mercado onde a Companhia atua.

Para desenvolver sua operação de passageiros de curta distância (voos em rotas domésticas e regionais dentro da América do Sul), a LATAM utilizou 243 aeronaves, todas da família Airbus A320. A Companhia recebeu 11 modelos Airbus A321, a maior versão da família, completando um total de 47 aeronaves deste tipo ao final do exercício.

No médio prazo, a Companhia projeta ter uma frota de curta distância integralmente composta pela família A320, nas versões A320, A321 e A320neo. Em 2016, a Companhia recebeu os dois primeiros aviões deste último modelo, tornando-se a primeira operadora do A320neo no continente americano. Com 174 assentos e uma configuração de cabine Space-Flex da Airbus, a LATAM espera receber em 2017 mais cinco aeronaves de um total de 34 do modelo A320neo em sua carteira de pedidos. Estas aeronaves possuem a tecnologia mais moderna que há disponível, incluindo motores de última geração e sharklets (dispositivos de tecnologia avançada instalados nas asas para reduzir sua resistência aerodinâmica), permitindo uma economia de até 15% em combustível, e a consequente redução das emissões anuais em cerca de 3.600 toneladas de CO2 por aeronave.

Para atender seus voos de longa distância, o Grupo LATAM utilizou uma frota de 76 aeronaves em 2016, dentre as quais destacaram-se os modelos Boeing 787 Dreamliner, em suas versões 8 e 9, e os novos Airbus A350-900. O plano de frota de fuselagem larga busca a renovação para incorporar a melhor tecnologia e ser líder em eficiência, reduzindo o número de aeronaves e aumentando a capacidade através de modelos maiores. Desta forma, neste período foram incorporadas cinco aeronaves Boeing 787-9, cujas vantagens incluem maior capacidade, tanto para passageiros (+27%) quanto para volume de carga (+23%) em comparação ao Boeing 787-8.  Configurado para 313 passageiros (283 assentos na classe Economy e 30 assentos na Premium Business), o Boeing 787-9 consome até 20% menos combustível que aeronaves similares, e reduz em até 20% sua emissão de CO2. Em dezembro de 2016, a frota Boeing 787 Dreamliner da LATAM era composta por 12 aeronaves Boeing 787-9 e 10 aeronaves Boeing 787-8.

Ademais, em 2016 a Companhia incorporou seis aeronaves Airbus A350-900, somando sete unidades deste modelo ao final do exercício. A Companhia recebeu a primeira destas aeronaves em dezembro de 2015, tornando-se a primeira companhia da América a operá-la, e a quarta no mundo. Configurado para 348 passageiros, sendo 318 na classe Econômica e 30 na Premium Business, o Airbus A350 é um produto de tamanho médio e alta tecnologia, que se destaca por apresentar um custo por ASK (CASK) até 25% inferior em comparação a outras aeronaves de tamanho similar, como o Airbus A330, e uma redução das emissões de CO2 equivalentes.

Vale destacar que durante 2016 a LATAM deixou de operar o Airbus A330, modelo que foi completamente retirado da frota.

Para desenvolver sua operação de carga, a Companhia encerrou o ano com uma frota operacional de 10 aeronaves (um menos que aqueles operados em 2015), formada por oito Boeings 767-300F e dois Boeings 777-200F, sendo que este último modelo é a aeronave dedicada de carga mais moderna do setor. Considerando que o foco da Companhia é otimizar o uso dos compartimentos de carga das aeronaves de passageiros, a LATAM está gradualmente reduzindo sua frota de carga dedicada. Neste sentido, a Companhia manteve, em 2016, um contrato de arrendamento de três de suas aeronaves de carga Boeing 767-200F e um Boeing 777-200F para operadores de carga de fora da região.

Em resposta à desaceleração macroeconômica e à consequente diminuição da demanda por viagens aéreas, a LATAM continuou avançando em seu plano para reduzir a frota através de adiamentos e vendas de aeronaves de longa e curta distância, com o objetivo principal de ajustar a capacidade às condições de mercado da América Latina. Neste contexto, em março de 2016 a Companhia alcançou uma redução de US$ 2,9 bilhões em suas aquisições de frota para o período de 2016 a 2018, uma diminuição de 37% no último ano.

Durante o ano, a Empresa apresentou avanços significativos em seu plano de redução de ativos totais e compromissos de frota, atingindo os níveis mais baixos de compromissos da história recente da LATAM para 2017 e 2018. A LATAM reduziu seus compromissos de frota através de adiamentos e cancelamentos, e também reduzirá seus ativos de frota existentes devolvendo aeronaves adicionais em comparação ao plano do ano anterior. Com isso, a Companhia terá atingido uma redução de US$ 2,2 bilhões em ativos de frota para 2016-2018, em linha com os planos previamente anunciados de alcançar uma redução de US$ 2,0 a US$ 3,0 bilhões em ativos de frota para 2018.

Manutenção

As instalações de manutenção principal, manutenção de linha e componentes da Companhia estão equipadas e certificadas para atender toda sua frota de aeronaves Airbus e Boeing.

Com instalações no Brasil (São Carlos) e no Chile (Santiago), a unidade de Manutenção, Reparos e Revisão do Grupo LATAM (MRO) é responsável pela manutenção principal das aeronaves do grupo e atende ocasionalmente a terceiros. Ambas fornecem 76% de todos os serviços de manutenção principal solicitados pela Companhia, e aqueles que não são executados internamente são contratados na ampla rede de parceiros de MRO em todo o mundo. Esta unidade também é responsável pelo planejamento e execução das devoluções de aeronaves.

Na MRO do Brasil, que inclui suas próprias capacidades de engenharia de suporte e um centro completo de treinamento técnico, a Companhia está preparada para atender até oito aeronaves simultaneamente, com um hangar dedicado à extração e pintura. Esta instalação também dispõe de 22 áreas de componentes técnicos, inclusive uma área completa de reparos e revisão de equipamentos de aterrissagem, equipamentos hidráulicos, pneumáticos, eletrônicos, componentes elétricos, galvanoplastia, compostos, rodas e freios, interiores e equipamentos de emergência. Além disso, conta com uma pista exclusiva de 1.720 metros.

A MRO de Santiago, localizada perto do Aeroporto Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez, dispõe de dois hangares capazes de atender simultaneamente uma aeronave de fuselagem larga e duas de fuselagem estreita. Possui oito oficinas preparadas para oferecer suporte ao hangar, como cabines, galley, estruturas e materiais compostos, com capacidade para adaptar o interior das aeronaves, incluindo a instalação de Wireless IFE (In-flight Entertainment) e winglets.

Já a rede de manutenção de linha fornece uma gama completa de serviços de manutenção de aeronaves para garantir que a frota funcione de forma segura e em conformidade com todos os regulamentos locais e internacionais.

A LATAM se esforça para oferecer a melhor experiência aos seus passageiros através dos mais altos padrões de on-time-performance e imagem da cabine.

Em 2016, a rede de manutenção de linha utilizou de maneira eficaz mais de 2,1 milhões de horas/homem em tarefas de manutenção preventiva e corretiva na frota da LATAM. A Companhia também conta com serviços de terceiros certificados em alguns destinos onde é economicamente viável, como Frankfurt, onde é atendida pela Lufthansa Technik; Milão, pela Air France-KLM; e Joanesburgo, pela South African Airways.

Vale destacar que desde 2010 a manutenção da LATAM conta com processos de produção e suporte transformados a partir da metodologia LEAN, o que refletiu em uma automatização e integração de processos, melhorando tanto os níveis de produtividade das equipes técnicas quanto o tempo de resposta a contingências, além de simplificar e fortalecer os processos de manutenção, tornando-os mais escalonáveis e visíveis para toda a organização.

Juntamente com o desenvolvimento destes sistemas, em 2016 foram entregues 300 iPads para a rede de manutenção do Brasil, além de 300 iPads nos países de língua espanhola em 2015, a fim de melhorar a conectividade de manutenção em terra.

Construído em 2015, a Companhia também conta com um hangar no Aeroporto Internacional de Miami, cidade que representa uma vantagem geográfica estratégica para a obtenção de suprimentos e serviços, bem como uma maior variedade de fornecedores para realizar as tarefas de manutenção complexas. O hangar e a infraestrutura vizinha compreendem mais de 66.000 pés quadrados e demandaram investimento de US$ 15 milhões.

 

 A 31 de dezembro de 2016  
Fora de BalançoEm BalançoTotal
Frota Passageiros
Airbus A319-100123648
Airbus A320-2005393146
Airbus A320- Neo112
Airbus A321-200173047
Airbus A330-200---
Airbus A350-900257
Boeing 767-30033437
Boeing 777-300 ER6410
Boeing 787-84610
Boeing 787-98412
TOTAL106213319
Frota Carga
Boeing 777-200F2-2
Boeing 767-300F3811
TOTAL5813
TOTAL FROTA111221332

Nota: Esta tabela inclui três Boeing 767-300F atualmente sublocação a terceiros, não inclui dois Boeing 777-200F (um atualmente sublocação a terceiros), três Airbus A330 e um Airbus A320 que foram reclassificados de propriedade, instalações e equipamentos a disponíveis para venda.

Frota de curto alcance

AIRBUS A319-100

  • Comprimento 33.8 mts
  • Envergadura 34.1 mts
  • Lugares sentados 144
  • Velocidade de cruzeiro 830 km/h
  • Peso máximo de decolagem 70,000 kg

AIRBUS A319-100

  • Comprimento 33.8 mts
  • Envergadura 34.1 mts
  • Lugares sentados 144
  • Velocidade de cruzeiro 830 km/h
  • Peso máximo de decolagem 70,000 kg

AIRBUS A320-200

  • Comprimento 37.6 mts
  • Envergadura 34.1 mts
  • Lugares sentados 156-168–174
  • Velocidade de cruzeiro 830 km/h
  • Peso máximo de decolagem 77,000 kg

AIRBUS A320-200 neo

  • Comprimento 37,6 mts
  • Envergadura 34,1 mts
  • Lugares sentados 174
  • Velocidade de cruzeiro 830 Km/hr
  • Peso máximo de decolagem 77,000 kg

AIRBUS A321-200

  • Comprimento 44.5 mts
  • Envergadura 34.1 mts
  • Lugares sentados 220
  • Velocidade de cruzeiro 830 km/h
  • Peso máximo de decolagem 89,000 kg

Frota de longo alcance

AIRBUS A350-900

  • Comprimento 66.8 mts
  • Envergadura 64.8 mts
  • Lugares sentados 348
  • Velocidade de cruzeiro 903 km/h
  • Peso máximo de decolagem 186,880 kg

BOEING 767-300

  • Comprimento 54.9 mts
  • Envergadura 47.6 mts
  • Lugares sentados 221 – 238
  • Velocidade de cruzeiro 851 km/h
  • Peso máximo de decolagem 186,880 kg

BOEING 777-300 ER

  • Comprimento 73.9 mts
  • Envergadura 64.8 mts
  • Lugares sentados 379
  • Velocidade de cruzeiro 894 km/h
  • Peso máximo de decolagem 346,500 kg

BOEING 787-8

  • Comprimento 56.7 mts
  • Envergadura 60.2 mts
  • Lugares sentados 247
  • Velocidade de cruzeiro 903 km/h
  • Peso máximo de decolagem 227,900 kg

BOEING 787-9

  • Comprimento 62.8 mts
  • Envergadura 60.2 mts
  • Lugares sentados 313
  • Velocidade de cruzeiro 903 km/hr
  • Peso máximo de decolagem 252,650 kg

Cargueiros

BOEING 777-200F

  • Comprimento 63.7 mts
  • Envergadura 64.8 mts
  • O volume de carga 652.7 m3
  • Velocidade de cruzeiro 894 km/h
  • Peso máximo de decolagem 347,450 kg

BOEING 767-300F

  • Comprimento 54.9 mts
  • Envergadura 47.6 mts
  • O volume de carga 445,3 m3
  • Velocidade de cruzeiro 851 km/h
  • Peso máximo de decolagem 186,880 kg